terça-feira, 28 de julho de 2009

_Três minutos para 00:00.

Estávamos sentados em um café no meio do Bom Fim. Entre um expresso e um chá, uma coca-cola e um cigarro, ela me contava dos seus últimos sonhos, da visita ao Teatro Nacional, dos seus achados e dos seus perdidos. Tudo era tão recíproco e palpável. Uma luz que atravessava o mural de vidro recortava seus detalhes contra a escuridão. Eu enxergava apenas o necessário daquele rosto suave, macio, aflito. Quando ríamos, o vapor quente de nossas bocas se dissipava contra o ar gelado da rua. Quando a lágrima escorria, congelava sobre nossas maçãs um sentimento que desprezava o atual. Nós queríamos mais, porque somos mais, uma vez que o pouco se tornou inacessível. O que temos em nossas mãos é de sabedoria limitada. O futuro... Quem sabe onde ele foi guardado? Se alguém souber, nos empreste a chave por três minutos. É tudo que precisamos. Vê-lo por somente alguns segundos. Quem sabe assim deixaremos de ser ateus.

Para minha amiga Coachpussy.

4 comentários:

Gustavo Porto Klein disse...

massa!! hehe! parabéns!! bjs!

May disse...

Quando você tiver a chave por favor me empreste! Estou precisando de um futuro ao menos palpável para arrumar a minha confusão ¬¬

Maitê Medeiros disse...

É tudo muito verdadeiro, muito palpável...me senti sentada com vocês..tentando achar uma saída, uma solução...amo vcs...e assim que achar a chave, envio por correio!
Ass: que pussy era eu?! Esqueci...

]Laris[ disse...

Lindíssimo... sempre...


bjos amo.